O elo mais fraco

emf1

logotipo Esc. Ribeiro


O peão é o utente da via pública que maior e especial cuidado requer por parte dos condutores dada a sua natural fragilidade, vulnerabilidade e imprevisibilidade de comportamentos, sobretudo quando se trata de crianças, idosos, invisuais e deficientes motores.

De acordo com dados oficiais (ANSR, 2015), durante o ano de 2014 foram registados 5 354 peões vítimas da sinistralidade em Portugal continental, uma média de aproximadamente 15 ocorrências por dia.

emf2

Em circulação tenha em atenção os peões que possam surgir de entre os veículos

Os números apurados mostram que mais de 63% dos casos de peões sinistrados ocorreu durante o atravessamento da faixa de rodagem, 42% dos quais quando atravessavam na passagem para peões. A este facto não são alheios alguns fatores potencializadores do risco de acidente, nomeadamente, o desrespeito das regras de trânsito e segurança de peões e condutores, as passagens mal localizadas e sinalizadas e a reduzida fiscalização.

Um outro dado preocupante prende-se com os grupos etários mais afetados, visto serem aqueles que estão mais expostos ao perigo. Com efeito mais de 13% das vítimas tinham no máximo 14 anos de idade e 17% tinham mais de 75 anos.

emf3

Perante peões não facilite

A maior parte dos acidentes ocorreu durante o período da tarde com 64% das ocorrências, 28% dos quais entre as 18 e as 21 horas, coincidente com a diminuição progressiva da luminosidade e consequente aumento da dificuldade na recolha de informação.

emf4

A utilização do telemóvel ao atravessar a faixa de rodagem aumenta o risco de atropelamento

Face à realidade desta problemática e uma vez que a política de prevenção rodoviária é manifestamente diminuta e ineficaz, tenha sempre em consideração as seguintes recomendações:

– Na proximidade das passagens para peões preveja sempre os perigos com que se pode deparar e modere a velocidade;

– Tenha em atenção os espaços entre os veículos estacionados pois podem surgir peões;

– Perante crianças e idosos tenha sempre em consideração a imprevisibilidade dos seus comportamentos;

– Em locais frequentados por crianças lembre-se que, dada a sua baixa estatura, têm dificuldade em ver e ser vistas pelos condutores, nem conseguem avaliar o risco de acidente;

– Não atravesse a faixa de rodagem sem confirmar que o pode fazer sem perigo de acidente.

E não esqueça que a prevenção rodoviária também passa por si.

Com o apoio de:

Diário do Minho

Publicado em: Terça-feira, 15 de Março de 2016